Como superar a crise financeira

A seguir deixo uma história que encontrei na internet e achei que vale a pena a leitura. Ela fala um pouco sobre como é possível acabar com a crise financeira de um país. Leia a história abaixo:

Maio de 2009, numa cidade litorânea do RS, muito frio e mar agitado, a cidade parece deserta. Os habitantes, endividados e vivendo as custas de crédito.

Por sorte chega um viajante rico e entra num pequeno hotel. Ele saca uma nota de R$100, põe no balcão e pede para ver um quarto.

Enquanto o viajante vê o quarto, o gerente do hotel sai correndo com a nota de R$100 e vai até o açougue pagar suas dívidas com o açougueiro.

O açougueiro pega a nota e vai até um criador de suínos, a quem deve e paga tudo.

O criador, por sua vez, pega também a nota e corre ao veterinário para liquidar sua dívida.

O veterinário, com a nota em mãos, vai até a zona pagar o que devia a uma prostituta (em tempos de crise, essa classe também trabalha a crédito).

A prostituta sai com o dinheiro em direção ao hotel, lugar onde, as vezes, levava seus clientes e que ultimamente não havia pago pelas acomodações, e paga a conta.

Nesse momento, o gringo chega novamente ao balcão, pede a nota de volta, agrade mas diz não ser o que esperava e sai do hotel e da cidade.

Ninguém ganhou nenhum vintém, porém agora toda a cidade vive em paz!

Moral da história: Quando o dinheiro circula, não há crise!

Muitas vezes ficamos nos preocupando em como é possível fazer o país começar novamente a caminhar na direção do progresso e esquecemos que o simples fato de consumir produtos do dia a dia, já estamos “ajudando”, fazendo o dinheiro circular.

Por isso, evite falar em crise. Apenas trabalhe, estude, se prepare, e corra atrás das oportunidades. Uma hora você será recompensado.




coded by nessus

Autor: Matheus

Criador do blog Informática Inteligente (http://www.informaticainteligente.com.br/), gosta de escrever sobre diversos assuntos. Além do Informática Inteligente possui mais alguns blogs pela internet com informações úteis e relevantes.